O primeiro militante, o primeiro camarada, o primeiro mártir

225 0

Haki Kerer, internacionalista e co-fundador do PKK

Entrevista com Mustafa Karasu, por İsmet Kayhan | Kurdistan Report Nr. 202

Haki Karer ( quarto na esquerda) como estudante na Universidade de Ankara. | Foto : ANF

Os anos em que Haki Karer começou a estudar na universidade foram os anos de forte repressão como resultado do golpe militar de 12 de março de 1971. Os efeitos da resistência dos líderes revolucionários Deniz Gezmiş, Mahir Çayan e İbrahim Kaypakkaya contra o o fascismo do dia 12 de março deu forma a Haki Karer muito. Ele ocupou um lugar nas fileiras da resistência revolucionária da juventude, que se espalhou como uma avalanche de 1973. Durante esse tempo, a partir de 1973, ele pessoalmente conheceu líderes dos movimentos de esquerda e revolucionários da juventude. A pessoa que mais o moldou e que mudou a sua vida foi a principal personalidade curda, Abdullah Öcalan.

Haki Karer conheceu Öcalan em 1972 e, a partir de então, seus caminhos não se separaram. A razão central que uniu esses dois revolucionários foi a linha ideológica que viu a libertação da sociedade curda e turca como uma unidade.

Haki Karer perdeu a vida em 18 de maio de 1977, como resultado de uma conspiração do “Sterka Sor” depois de um ano em Dîlok (Antep). Sua morte afetou profundamente Öcalan e seus amigos. Öcalan chamou seu companheiro Haki Karer de sua “alma secreta”. Mustafa Karasu, membro do Conselho Executivo da Comunidade de Sociedades do Curdistão (KCK), relatou as atividades organizacionais de Haki Karer dentro dos trabalhadores e estudantes de Dîlok e a luta ideológica com os círculos de esquerda turcos. Karasu, que também participou do funeral de Haki Karer, falou extensivamente sobre esse tempo.

Embora não houvesse muitos, o grupo Apoista havia criado um núcleo de quadros em Ancara em 1975. O mesmo deveria ser alcançado nas cidades do Curdistão. O passo lógico era ir ao Curdistão. No final de 1975 os Apoistas começaram sua jornada lá

Dîlok (Antep), Serhat, Amed (Diyarbakır) e Êlih (Batman) são as primeiras cidades organizadas pelo movimento Apoista. Haki Karer “empurrou seu cobertor” e foi para Adana-Iskenderun. Kemal Pir, Cemil Bayık, Mazlum Dogan, Mehmet Hayri Durmuş, Duran Kalkan e Ali Haydar Kaytan também foram para o Curdistão. Mustafa Karasu foi junto com Doğan Kılıçkaya a Dîlok em julho de 1976. Lá Haki Karer retornou de Êlih. Ele desempenhou um papel pioneiro na formação do grupo ideológico dos apoistas e no movimento do grupo para o Curdistão.

Onde e quando você conheceu Haki Karer? Que impressão teve quando o conheceu pela primeira vez?

Eu vi Haki Karer pela primeira vez em uma reunião em 1975. Não me lembro exatamente em que mês estava. Eu não sabia então que ele veio do Mar Negro, Ordu. Eu o vi como um membro normal e quadro do grupo. Eu não sabia que ele havia conhecido o presidente Apo e o movimento muito antes, porque eu nunca o tinha visto com seus amigos antes. Então eu pensei que ele era novo. Ele não falou muito na reunião, ele ouviu mais. Mas ele era um amigo quieto, sério e sábio com uma expressão suave no rosto. Essa foi a minha observação. À primeira vista, ele fez a impressão de seriedade revolucionária, determinação e compromisso com a causa. Concluímos isso a partir de sua atitude e comportamento.

Ağrı foi a primeira cidade no Curdistão que ele foi?

Era o ano de 1975, quando ele foi para Agirî (Ağrı), não me lembro exatamente daquele mês. Ele foi junto com Abdurrahman Ayhan, que conhecia bem Agirî. Quando eles saíram, levaram alguns livros com eles. Naquela época, enviamos muitos livros de Ancara ao Curdistão, especialmente livros sobre movimentos de libertação nacional e clássicos marxistas. Entre os clássicos marxistas havia especialmente os livros de Lênin sobre o direito de autodeterminação dos povos e as guerras de libertação nacional, bem como o livro de Stálin sobre a questão nacional. Nós principalmente enviamos livros sobre organização naquela época. Eu acho que Haki também levou muitos livros com ele para Agirî. Foi sua primeira viagem ao Curdistão. Não se tratava de ficar lá por muito tempo, mas de conhecer o Curdistão, fazer contatos e ter discussões.

Na primeira fase, foi principalmente por esse motivo que as pessoas foram até lá. Eles ficaram em uma cidade por alguns meses e regressavam a Ankara. Amigos que estudaram foram para suas cidades e aldeias durante as férias. Haki Karer era um dos amigos que tinham ido ao Curdistão antes que a decisão de retornar ao país fosse tomada na reunião de Dikmen em janeiro de 1976. Naquela época, é claro, já conhecíamos sua personalidade, seu caráter e suas origens no Mar Negro.

É notável que ele, como alguém do Mar Negro, tenha sido um dos primeiros a ir ao Curdistão …

Lembro-me que ele foi para Agirî com grande entusiasmo. Ele refletiu sobre os primeiros passos, a primeira atitude para a decisão de desenvolver a luta de libertação nacional no Curdistão. O fato de ele, como amigo do Mar Negro, ter sido um dos primeiros a sair mostra quanta importância e valor Haki Karer atribuiu à luta de libertação da sociedade curda. Ele foi um dos primeiros amigos do presidente Apo. Depois que o presidente foi libertado da prisão em 1972, ele foi ao apartamento de Haki e Kemal por sugestão de um amigo. Ele então morou com eles na mesma casa. Kemal e Haki como jovens revolucionários aceitaram imediatamente que outro amigo revolucionário vivesse com eles. Essa relação e aceitação também são importantes para mostrar o caráter revolucionário de Haki Karer.

Uma reunião posterior foi importante: a reunião de janeiro de 1976, quando foi tomada a decisão de retornar ao Curdistão, contou com a presença dos amigos Kemal e Haki. Lá eu conheci melhor o caráter e a atitude deles. Nessa reunião, todos falaram sobre sua situação familiar, seu histórico, a estrutura social da família, o curso de estudos, a primeira discussão sobre idéias revolucionárias e a fase de se juntar ao grupo. Ouvimos a história de Haki e Kemal e soubemos que eles haviam conhecido o presidente Apo muito antes.

Qual o papel que Haki Karer desempenhou no surgimento do movimento Apoista?

Seu amigo Haki incorporou a cultura Apoista, ser quadro e a compreensão cooperativa do presidente Apo e a atitude revolucionária. Ele melhor representou a mentalidade, atitude e vida da liderança nas comunas e em Dîlok. Ele era responsável, mas muito modesto. Ele não era alguém que baseasse sua responsabilidade no comportamento autoritário, mas no trabalho, idéias e personalidade. Sua personalidade já criou respeito em um dia. Aqueles que o conheciam respeitavam seu amigo Haki e o ouviam. O presidente disse sobre ele: “Ele era minha alma secreta, nos olhamos nos olhos um ao outro e nos entendíamos”. O amigo Haki fez o trabalho com seu olhar, sua palavra e sua atitude. Ele moldou os padrões da comuna com sua amizade, sua atitude organizada, sua linguagem e seu caráter. Ele era forte em dar valor à amizade. Onde ele ficou, ele criou a atmosfera de uma comuna, solidariedade e um espírito comum. Essa realidade faz a diferença entre o grupo Apoista e outros grupos turcos de esquerda ou curdos. Havia também casas comunais na esquerda turca. Mas no lugar onde Haki ficou não havia apenas uma vida comum, mas um espírito comum, uma atitude de respeito e amor mútuos, a realização do trabalho e a organização da vida na competição coletiva.

Naquela época, tudo foi feito em conjunto nas casas comunais. A roupa foi lavada em conjunto, a comida preparada em conjunto. Não havia sistema real. Se a situação estivesse certa, então o trabalho foi iniciado. E o camarada Haki estava sempre em primeiro lugar. Ele fez a maior parte do esforço dentro da comuna. Ele usava as roupas mais velhas. Em primeiro lugar, ele cuidou de seus amigos. Porque ele sempre usava as roupas mais velhas, os amigos às vezes faziam piadas. Mesmo no inverno, o camarada Haki sempre usava as roupas mais antigas. Houve uma série na televisão na época, Comissário Columbo. O casaco do comissário estava sempre enrugado, bagunçado e velho. Como Haki Karer também sempre usava o mais velho, seus amigos às vezes diziam que ele usaria o casaco de Columbo.

A consciência teórica e o poder ideológico de Haki eram muito pronunciados. Ele explicou os pensamentos do presidente e da linha do grupo Apoista da melhor maneira e, assim, ganhou reputação. Quando Haki falou com alguém, ele ganhou respeito e seriedade. Ninguém poderia ter uma atitude não séria em relação a Haki. Ele era uma personalidade revolucionária com seriedade e senso de responsabilidade.

A esquerda turca alegou que os Apoistas não discutiriam, mas forçariam suas ideias sobre eles. Foi este realmente o caso?

Era necessário, tanto na luta ideológica quanto na antifascista, estar bem na frente. Os Apoistas fizeram as duas coisas. Eles ofereceram uma forte resistência ideológica e constantemente discutiram e lideraram uma luta eficaz contra os fascistas. Portanto, essa afirmação não é verdadeira. Houve uma intensa luta ideológica com uma atitude militante. A maior peculiaridade era que o grupo Apoista se desanexou do sistema. Tinha se separado do estado, da família, da escola, dos sonhos e desejos da pequena burguesia. Não houve egoísmo, eles não dedicaram nenhum segundo de suas vidas a outra coisa senão a luta pela liberdade, democracia e socialismo. Isso tornou a luta ideológica tão forte. Porque eram firmes em palavras e ações. Eles eram socialistas na linguagem e socialistas na vida. Se eles tivessem sido socialistas e revolucionários apenas nas palavras e não se tivessem desanexo do sistema, das relações tradicionais e das relações tradicionais de género, não teriam sido capazes de influenciar a juventude.

Eles trouxeram o corpo de Haki Karer para Ulubey … Você pode nos contar sobre a comemoração? Em um artigo que você escreveu em 1991: “Não tomamos uma atitude apropriada em relação a Haki”. Por quê?

Quando Haki Karer caiu, não estávamos em Dîlok, mas em Ancara. Ouvimos sobre sua morte e deixamos Ankara para Dîlok com alguns amigos. Nós saímos com a perspectiva de lutar contra os atacantes. No caminho, amigos nos pararam e disseram que trariam o corpo de Ancara para Ulubey. Então fomos de Ankara para Ordu, com mais de 30 amigos, principalmente de Ancara, e de Ordu para Ulubey.

Haki era uma personalidade bem conhecida em Ulubey e uma juventude de que todos gostavam. Durante seu tempo em Ulubey, ele trabalhou nos jardins e campos. Ele era conhecido em todo lugar. É por isso que centenas, senão milhares, de grupos de esquerda turcos vieram à sua comemoração. Todos os grupos estavam lá. Naquela época, havia simpatizantes da China, da União Soviética e da Albânia. Eles chamavam uns aos outros sociais fascistas e sociais imperialistas. Todos eles vieram à memória de Haki. Não fomos capazes de classificar isto bem. Não fomos bons o suficiente para trazer esses grupos, através da pessoa de Haki, para mais perto do grupo Apoista e construir relações cooperativas. Nós éramos apenas um grupo cujo amigo tinha caído e enterramos ele. Mas deveríamos ter tido uma abordagem diferente, em um serviço memorial para um amigo como Haki que atraiu tantas pessoas.

Quando contamos ao presidente Apo sobre o funeral, ele criticou. Dois meses depois, ele foi para o próprio Ulubey e expressou suas condolências à família. Ele trouxe o caráter e personalidade de Haki para mais perto de sua família e pessoas que ele conhecia.

Kemal Pir fez um discurso na cerimônia de comemoração?

O funeral foi assistido por cerca de 30 amigos. Entre eles estavam Duran Kalkan e Muzaffer Ayata. As pessoas se reuniram em frente da casa antes de ir ao cemitério e um discurso deveria ser feito. Todo mundo disse que Kemal Pir deveria falar. Ele era um agitador. Mas quando ele se aproximou do corpo de Haki, ele só conseguiu dizer: “Este amigo, Haki”. Seu pescoço ficou estreito e ele não conseguiu dizer mais nada. Ele chorou e recuou. Eles tinham sido amigos de longa data, moravam na mesma casa, se conheciam muito bem. Perder tal amigo tocou Kemal muito profundamente.

Em seus escritos de defesa, escritos na ilha da prisão Imrali, Öcalan escreve: “Haki era minha alma invisível”. Como foi a relação entre Öcalan e Haki Karer? Você foi capaz de testemunhar uma conversa entre eles?

O presidente Apo sempre foi muito respeitoso em seu relacionamento com Haki. Houve respeito mútuo. Quando você olha para as relações do Presidente Apo com outros amigos, seu relacionamento com Haki foi um pouco diferente. O presidente disse que Haki era sua alma invisível. Alma invisível significava que Haki praticava o que ele pensava; que ele sabia, sem dizer nada, como se comportar. Você não precisava dizer nada para Haki. Ele estava ciente de sua responsabilidade de qualquer maneira e cumpria seus deveres sem palavras. Isso significa alma secreta.